Histórico

A articulação inicial do Fórum Intermunicipal de Cultura deu-se em 1995 com a realização do primeiro EIC (Encontro Intermunicipal de Cultura), na cidade de Belo Horizonte-MG, sobre o tema: "Cultura, Políticas Públicas e Desenvolvimento Humano".

O principal objetivo desse encontro, que contou com a presença de cerca de 800 pessoas de 163 municípios, foi a formação de uma ampla rede de atores de governos municipais, movimentos culturais, pesquisadores, criadores, entre outros.  

Em 1996, a cidade de Vitória-ES, abrigou o segundo EIC, que abordou o tema "Direitos Culturais e Direitos Humanos", lançando na ocasião a "Carta de Vitória", que se tornou um documento referência para as políticas públicas municipais.  

No ano seguinte, Brasília-DF foi a sede do III EIC, encontro que questionou a globalização mercantil com o tema "Globalizações e Diversidade Cultural "To be or not Tupy", e propôs a ampliação das trocas culturais, sob o signo da diversidade e da solidariedade. A principal contribuição desse encontro foi afirmar a diversidade cultural como caminho para uma globalização multicultural. Além de estabelecer parâmetros conceituais, o III EIC foi um lugar de trocas culturais entre governos, entidades e movimentos, reunindo cerca de 1200 pessoas de 25 estados brasileiros.  

O  objetivo do FIC é reunir atores e experiências para pensar e intervir nas cidades, propondo políticas culturais democráticas que valorizem o desenvolvimento humano e solidário, a troca de experiências políticas de cultura municipais e a democratização da gestão, além de debater os desafios do desenvolvimento e sua relação com a questão cultural e civilizatória.

Desta forma, possibilitou a discussão das questões nacionais da cultura sob o ponto de vista local e contribui para a construção da esfera pública e democrática da cultura. 
O FIC propiciou a aproximação de agentes culturais públicos e privados, técnicos de governos, artistas, pesquisadores e professores universitários e especialistas da cultura e de serviços voltados para a cultura e lazer. Por outro lado, multiplicou experiências de sucesso em políticas públicas; criou conceitos e articulações conceituais no campo da cultura, como: políticas públicas de cultura, qualidade de vida cultural, gestão cultural democrática, desenvolvimento cultural local, economia solidária da cultura e outros.

Integraram esta experiência coordenada pelo Instituto Pólis, a Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte, o SESC- São Paulo, a Universidade Federal do Espírito Santo, o Projeto Alagoas Presente, o Projeto Barracões Culturais da Cidadania de Itapecerica da Serra, a  Secretaria Municipal de Cultura de Itapecerica da Serra, a Secretaria Estadual de Cultura do Tocantins.

Em 2004 o Fórum Intermunicipal de Cultura e o SESC Rio de Janeiro organizaram o primeiro Encontro de Cultura das Cidades, com gestores, agentes culturais e pesquisadores de todo o país.

A partir de 2004 o foco centrou-se no fortalecimento de redes locais a partir de do Laboratório de Desenvolvimento Cultural (LDC). Desenvolveram-se, então atividades na Cidade Tiradentes: fortalecimento de redes locais de cultura, publicações com a partipação de jovens, encontros de redes culturais locais. Mais recentemente realizou-se o Mapa das Artes da Cidade Tiradentes e a criação da Rede de Artistas da Cidade Tiradentes em parceria com o Centro Cultural da Espanha em São Paulo.

Com o SESC- Santo Amaro e SESC-São Paulo realizamos o Mapeamento sociocultural da Região Sul, 290 experiências de grupos locais e 33 agentes culturais da localidade.

Com o Ministério da Cultura o Pólis construiu o Pontão de Convivência e Cultura de Paz com a finalidade de multiplicar ações e políticas públicas de cultura de paz nos pontos de cultura do país.

Atividades desenvolvidas pela Área

Após 1998, o FIC organizou e/ou participou de diversas atividades entre as quais, destacamos: 

- Encontro nacional com o tema: Desenvolvimento Cultural e Planos de Governo (São Paulo, 1999) 
- Criação do Laboratório de Desenvolvimento Cultural de Itapecerica da Serra (Itapecerica da Serra, 1999) 
- Participação no Fórum de Cultura do Tocantins (Palmas, 2000) 
- Elaboração da Carta de São Paulo para as eleições municipais com a participação e contribuição de representantes do Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Alagoas, Maranhão, Bahia, Tocantins, Rio Grande do Sul e Distrito Federal (2000) 
- Participação na elaboração da Carta de Responsabilidades Humanas da Aliança por um Mundo Plural, Responsável e Solidário (2000) 
- Elaboração da Carta aos Candidatos para as eleições de 2002, concluída após várias escutas culturais (Marechal Deodoro - AL) 
- Construção da proposta do Encontro Mundial de Artistas em Aliança (São Paulo, 2001) 
- Participação na concepção cultural do Fórum Social Mundial;realização de oficina e conversas de rua sobre temas ligados à cultura e à globalização (Porto Alegre, 2002 e 2003) 
- Criação da lei de Conselhos Municipais de Cultura de Paz em São Paulo e Itapecerica da Serra
-  Laboratório de Desenvolvimento Cultural de São Paulo (2002) 
- Mobilização para a reativação do Conselho Municipal de Cultura de São Paulo (2003) 
- Participação no InterRedes Direitos e Política - espaço de articulação de redes e fóruns de organizações da sociedade civil brasileira (2002, 2003) 
- Contribuição para a elaboração do Plano Plurianual do Governo Federal (2003) 
- Participação na concepção do Fórum de Cultura de Rio Claro e na carta resultante do encontro (2003) 
- Produção do documento Agenda Cultural para o Brasil do Presente (2003) 
- Realização de encontro preparatório ao Fórum Cultural Mundial (2003)
- Encontro de Cultura das Cidades, Rio de Janeiro, em parceria com SESC
-1ª Conferência Municipal de Cultura de São Paulo (2004)
-1ª Conferência Regional de Cultura. Macro região Sudeste (2005)
-1ª Conferência Nacional de Cultura, Brasília (2005)
- Realização de diversas oficinas no Fórum Social Mundial (2005)
-Realização de atividades na II Edição do Fórum Cultural Mundial, Rio de Janeiro- RJ (2006).
- Atividades do Laboratório de Desenvolvimento Cultural – LDC -2008/2010

-  Mapa das Artes da Cidade Tiradentes, 2009.

-  I e II Encontro de Artistas da Cidade Tiradentes, 2009, 2010.

-  Publicação “Jovens da Cidade Tiradentes : de onde ecoam suas vozes”, 2009.

-  Encontro Viver de Cultura, Cidade Tiradentes, 2010

-  Mapeamento sociocultural da Região         Sul, 2008/2011.

-  Encontro Internacional Mapeamentos socioculturais, território e diversidade, 2009.

-  Encontro de Ponteiros de Cultura de Paz, 2010.

- Encontros Regionais de Cultura de Paz, Belém, Salvador, Curitiba, 2011.

- Encontro Internacional Cultura de Paz, Politicas Públicas e Desenvolvimento Cultural, abril, 2011.

 

Com quem trabalhamos:
A atuação da Área de Desenvolvimento Cultural do Pólis desenvolve-se através das parcerias realizadas entre os agentes culturais públicos e privados, técnicos de governos, artistas, pesquisadores, professores universitários e especialistas envolvidos com serviços de cultura.

A área de Desenvolvimento Cultural do Instituto Pólis tem realizado parcerias/assessorias com:
 
Governos:
-Federal (Seminário Nacional das Políticas Públicas para as Culturas Populares, Seminário Sul-Americano para as Culturas Populares, e Assessoria para Criação das Câmaras Setoriais de Música)
 
Entidades:
-SESC São Paulo e Rio de Janeiro, Associação Palas Athena, Instituto Ágora, Instituto de Políticas Relacionais, IPAZ, Ministério da Cultura - MinC, CIVES, Crescente Fértil, Projeto Alagoas Presente, Casa da Cidade, Secretaria Municipal de Cultura/SP, Centro Cultural da Espanha, INESC ( Brasília)

Fóruns:
-Corredor Intermunicipal de Cultura-Interior Paulista, Fórum Municipal de Cultura de São Luis do Maranhão, Fórum Intermunicipal de Cultura – FIC, Fórum Social Mundial, Fórum Cultural Mundial, Conselho Parlamentar da Cultura da Paz – ConPAZ, Fórum Permanente das Culturas Populares, Fórum Internacional de Cultura de Paz., Comitê da Década da Paz.
 
Movimentos:
-Movimentos pela Cultura da Paz – São Paulo, Alagoas Presente, Movimento Artistas pela Natureza, Movimento ArteSolidária, MOCUTI- Movimento Cultural da Cidade Tiradentes, Movimento Nossa SP.
 
Redes:
-Inter-Redes, Rede Mundial de Artistas em Aliança, Aliança por um Mundo, Responsável, Plural e Solidário, Rede da Carta de Responsabilidades Humanas, Redes de Cultura Local da Cidade de São Paulo, Rede Ñanduti de Promotores Culturais, Articulação Latinoamericana de Cultura e Política/ ALACP, Vídeo Popular,

Plataforma Puente, ALACP- Articulação Latinoamericana de Arte e Política.

Aliança por um Mundo Responsável, Plural e Solidário

Dinâmica internacional que reúne pessoas de mais de cem países em torno de alguns temas de vital importância, tanto para o presente como para o futuro da Humanidade. O Instituto Pólis foi um dos responsáveis pela criação da Aliança no Brasil,  a partir de 1994. Participa do grupo São Paulo da Aliança, do Comitê Brasileiro da Carta de Responsabilidades Humanas e  anima a Rede Mundial de Artistas em Aliança que se propõe a debater o papel da arte e seu poder transformador.

A área de cultura do Pólis é  responsável pela edição em língua portuguesa dos Cadernos de Proposições para o Século XXI, série nascida no contexto da Aliança. Publicou os seguintes cadernos:
- Arte e identidade cultural na construção de um mundo solidário
- Propostas para uma diversidade cultural intercultural na era da globalização
- Educação Ambiental: seis proposições para agirmos como cidadãos
- Alimentação, nutrição e políticas públicas
- Educação Para o Século XXI
- Florestas do Mundo: propostas para sustentabilidade
- Por uma governança mundial, eficaz, legítima e democrática
- Repensar a gestão de nossas sociedades: 10 princípios para a governança, do local ao global
- Comércio Justo e Solidário
- Privatização da Vida
- Ecologia Industrial
Em 2006 a Aliança Brasil desenvolveu as seguintes atividades:  Cadernos para o Século XXI, o lançamento do DVD "Memórias Sempre, Ditadura Nunca Mais", Conversas de Rua e debates sobre as responsabilidades humanas.
No final de 2007 a Rede Mundial de Artistas lançou em quatro idiomas (Português, Espanhol, Francês e Inglês) a Carta das Responsabilidades do Artista.
Em 2008 difundiu a carta no Brasil (S. Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Maranhão, Pará, Paraná, Santa Catarina, Alagoas e Minas Gerais), na América Latina (Uruguai, Argentina, Chile e Bolívia), na Europa (Ucrânia, Lituânia, Grécia, França, Inglaterra), na África (Camarões, Argélia, Tanzânia e Angola) e na Índia.
Ainda em 2008, a Rede Mundial de Artistas participou do Fórum Internacional da Cultura de Paz e Pedagogia da Convivência realizado em parceria com a Associação Palas Athena, Unesco, Movimento Arte Solidária, Instituto Pólis e outros.
Em 2009, juntamente com o Idea- Associação de Arte-Drama Internacional participou de várias atividades no Brasil e em outros países e difundiu nova edição da Carta de Responsabilidades do Artista, difundida nos vários continentes.

A Rede de Artistas tem contribuído para o debate público sobre o papel do artista na sociedade, para a inclusão das artes na educação, o diálogo das artes com a política e políticas públicas de arte-educação, além de estimular a criação de redes locais de artistas e fortalecer redes de artistas na América latina, Europa, África e Ásia.

Em 2009/2011 apoiou a criação da Rede de Artistas da Cidade Tiradentes, a Articulação Latinoamericana de Arte e Política, ALACP e o Congresso Mundial de Arte Educação/IDEA.

 

Projetos Realizados:

Seminário das Culturas Populares: Diálogos São Paulo – Brasil: O Instituto Pólis  com o Fórum Permanente das Culturas Populares e o SESC SP reuniram em São Paulo, nos dias 16 e 17 de julho de 2005, artistas populares, mediadores, animadores culturais, técnicos de secretarias de cultura e sub-prefeituras, fóruns regionais de cultura, organizações não governamentais e pesquisadores para debater o lugar das culturas populares na sociedade contemporânea, novos diálogos a partir das experiências de seus protagonistas na cidade de São Paulo e apresentar os principais resultados do “Seminário Nacional de Políticas Públicas para as Culturas Populares”, realizado em Brasília, nos dias 23 e 26 de fevereiro deste mesmo ano.

Criação de Câmaras Setoriais de Música: O Pólis realizou juntamente com o Ministério da Cultura a concepção e a mediação do Encontro Nacional de Músicos realizada entre os dias 10 e 12 de abril de 2005.

O Pólis prestou assessoria ao Ministério da Cultura na primeira fase de elaboração do projeto de construção de Câmaras Setoriais que pretendem se constituir em espaços consultivos e de debates para a formulação de políticas públicas que mobilizem e reúnam os diversos atores da sociedade, visando fornecer elementos para tomadas de decisão, monitoramento das ações do governo, e subsídios para elaboração de diretrizes, estabelecendo uma relação mais democrática com o Estado.

Curso para Gestores Públicos: O Pólis tem participado desde 1991 de cursos para gestores públicos, trabalhadores de biblioteca e monitores de espaços culturais. Em 1991 coordenou juntamente com PUC, USP e Unicamp o projeto Leitor Infinito – Formação de Mediadores de Leitura, dirigido a mil participantes. Nos anos mais recentes participou de cursos em várias cidades do país (Belo Horizonte, São José dos Campos, São Paulo, Diadema, Piracicaba, Itapecerica da Serra e outros). Destacamos: formação de monitores dos Barracões Culturais de Cidadania em 2002 - 2004 e curso de gestores públicos no Instituto Polis em abril de 2005. Participou também da construção do cursos de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Cultural e Políticas de Cultura em parceria com a Universidade Metodista.

Projeto Barracões da Cidadania: Experiência do município de Itapecerica da Serra-SP , busca a reintegração social e o resgate da vida e cidadania, particularmente dos jovens através da linguagem artística e cultural. A sua força local e visibilidade nacional e internacional fizeram do projeto uma espécie de paradigma para o desenvolvimento de projetos de protagonismo jovem a partir da arte. No ano 2000 o Projeto, com a assessoria do Instituto Pólis, foi selecionado entre os vinte finalistas do Programa Gestão Pública e Cidadania promovido pela Fundação Ford e Fundação Getúlio Vargas e, em 2003, recebeu o Prêmio Bienal Itaú/Unicef, em que concorreram 1834 projetos.

Reorganização do Conselho Municipal de Cultura de São Paulo: No período entre 2003 e 2005 O Instituto Pólis faz parte da Comissão de Entidades e Movimentos da Sociedade Civil através do conselheiro Hamilton Faria, que também integrou o Conselho Geral. O Pólis e o FIC foram importantes para a mobilização da sociedade em torno da idéia da reorganização do CMC. A intervenção do Pólis no Conselho Geral – órgão executivo do CMC – foi importante para a reorganização do Conselho, com propostas de reconhecimento das dinâmicas regionais, plano de trabalho e diálogos públicos. Além disso, o Pólis tem estado presente nos fóruns regionais para fortalecer a participação cultural.

Encontro de Cultura das Cidades: realizado pelo FIC em parceria com o SESC Rio de Janeiro. Reuniu atores de diversas partes do país e fez uma espécie de mapeamento dos temas atuais da política cultural, 2003.

I Conferência Municipal de Cultura - São Paulo-SP: processo que visou sistematizar demandas, propostas e diretrizes de Políticas Públicas para a cidade de São Paulo. O Instituto Pólis participou da organização da Conferência. Todo o processo da conferência reuniu cerca de 2000 pessoas de várias regiões da cidade e sistematizou em torno de 650 propostas de políticas públicas de cultura. Hamilton Faria foi representante do Conselho Municipal de Cultura na I Conferência de Cultura da cidade e participou como palestrante na Pré-Conferência Regional de Vila Mariana e de todo o processo preparatório.

Projetos do Pólis Pontao Rede Logolink Projeto Pólis Litoral Sustentável Publicacões Polis Pólis Digital Mapa das Artes Cidade Tiradentes Parceiros Le Monde Brasil
 

Pólis - Instituto de Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais - Rua Araújo 124, Centro, São Paulo - SP CEP 01220-020 t. 55 11 2174 6800